domingo, 17 de fevereiro de 2008

São só palavras


A essência do marketing é, em miúdos e do alto da minha visão míope e astigmática, o trabalho de convencer alguém a consumir determinado produto ou serviço. E o segredo está todo na maneira de dizer.

Tive uma professora em design que me ensinou que o nosso projeto é sempre perfeito e maravilhoso, sem falhas – ou pelo menos é o que você vai dizer pro cliente... Então nem pensar em dizer que vc copiou logomarca tal daquele cartão de visitas maravilhoso que estava enterrado na gaveta, no máximo vc se “inspirou”.

Outro dia ouvi uma história que ilustra bem isso. Em certa capital que é uma ilha no alto do mapa do Brasil, um empreendimento imobiliário de efeitos sociais questionáveis denominado com uma letra grega e uma terminação “ville”, está sendo levado a cabo.

Num terreno cheio de voçorocas*.

Do site do empreendimento: “... aprecie a vista dos maravilhosos Canyons de nossa cidade”

Cretino, mas didático.

*Da Wikipedia (não, não usem isso como fonte de referência, a menos que seja prum blog e vc teja podre de preguiça): A voçoroca ou boçoroca é um fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos de erosão, causados pela chuva e intempéries, em solos onde a vegetação é escassa e não mais protege o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas. Pobre, seco, e quimicamente morto, nada fecunda.

Matemática Rápida (ou A Crueldade do Sistema)




De 8 a 9 executivos são filhos de executivos. Claro que aqui há o velho e famigerado “peixe”, parte essencial da cultura do nosso tão amado país (tb conhecido como QI – quem indique). Mas não só isso. Os filhos de executivos, além do exemplo/modelo/incentivo dos progenitores, estão em determinada classe econômica – os três por cento do topo da pirâmide. Que oferece uma série de oportunidades, relacionadas tanto a uma educação melhor, quanto a mais oportunidades e recursos, além de um network mais efetivo.

Mas, Ei!, sobra aí de 10 a 20% de chances pra os meros mortais conquistarem seu lugar ao sol, crescer e realizar o sonho capitalista – a promessa que mantém o próprio sistema rodando.

Não é bem assim, pq ainda há os filhotes da classe privilegiada cujos pais NÃO SÃO executivos. E que tiveram oportunidades muito semelhantes aos filhos de executivos. E lá se vai uma boa parcela dos 20% restantes...

Então, a mobilidade social, base mesmo da promessa capitalista, é muito menor do que se pode supor a primeira vista. O sistema é cruel e as “castas” se perpetuam.

Só pra não terminar num tom muito negativista, vou enfiar uma frase motivacional aqui, algo do tipo: Seja uma exceção! (a menos que seu pai seja um executivo...)